NOTÍCIAS


Haddad defende juros mais baixos e prevê crescimento de 3% do PIB em 2023

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu nesta segunda-feira (6) a redução da taxa de juros. O economista alega que ainda há “muita gordura monetária para queimar”, segundo informações do site R7. Pelas previsões do ministro, o país fechará o ano com um crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), mas “nem 1%” em arrecadação devido a ‘meteoros’ do passado que dificultam a receita do governo federal. 

Na justificativa do que chamou de “erosão” na arrecadação, Haddad voltou a citar decisões do Judiciário tomadas em 2017 e que foram identificadas pela equipe econômica como relevantes nesse contexto. A principal foi a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em retirar o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo de PIS e Cofins. A outra é o abatimento sobre a base de cálculo da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ). 

O ministro ressaltou a importância de “corrigir distorções” a partir do novo marco fiscal e chamou atenção para a necessidade de criar novas despesas apenas com fonte de financiamento garantido. Ele citou incrementos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e a garantia do Piso da Enfermagem como medidas meritórias, mas que não possuem fonte orçamentária suficiente. 

“Não adianta achar que está fazendo o bem, criando as despesas mais meritórias do mundo, de forma insustentável. Porque depois que a conta chegar, essas coisas podem se desfazer e o que a gente quer é consolidar as conquistas”, afirmou Haddad durante um evento de um banco privado, voltado a investidores. 

Juros e Banco Central

O desafio econômico de curto prazo, segundo Haddad, é “arrumar a casa”. “Estamos em um momento que temos condição de fazer a economia crescer. Porque ainda temos muita gordura monetária para queimar, estamos com uma taxa [de juros] ainda de 12,25%. Depois de um ano de trabalho caiu 1,5%. Temos espaço para continuar trabalhando com um juro civilizado no Brasil”, pressionou o ministro, defendendo a continuidade da queda de juros. 

Sobre o papel do Banco Central, Haddad destacou que a Fazenda vai “continuar trabalhando em parceria para continuar no ciclo de cortes”. Durante a participação no evento, o ministro citou as recentes indicações do governo Luiz Inácio Lula da Silva para a instituição monetária e destacou a importância da articulação entre os diretores e a Esplanada. 

Haddad chamou os Três Poderes a trabalharem juntos para perseguir crescimento econômico e disse ser necessário que cada instância entenda a “repercussão de decisões”. “Não falo isso para provocar, mas é preciso de parceria entre os Três Poderes. É preciso dar transparência aos números”, disse. 

CP

Foto: Diogo Zacarias / MF / CP




06/11/2023 – Grupo Guaramano

COMPARTILHE

SEGUE A @HTTPS://WWW.INSTAGRAM.COM/RADIOGUARAMANO98.1FM/

98.1 – (55) 3353-1721
91.1 – (55) 3353-2121

grupoguaramano@yahoo.com
Guarani das Missões – RS
Av. Castelo Branco, 1053 – Centro, 97950-000

NO AR:
GUARAMANO NOTÍCIAS