NOTÍCIAS


O que se sabe sobre a variante XBB.1.5 da covid-19

Nova subvariante da ômicron foi detectada em vários países e responde por quase metade dos casos nos EUA. Pode ser a versão mais transmissível do coronavírus até agora, mas não há indícios de que seja mais grave.

Uma nova subvariante da ômicron que já responde por mais de 40% das infecções por covid-19 nos Estados Unidos tem deixado em alerta as autoridades sanitárias do mundo todo. Apontada como a possível versão mais contagiosa do coronavírus até agora, a chamada XBB.1.5 também foi detectada em outros 28 países, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a mais recente atualização do monitoramento realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), 40,5% dos casos de covid-19 no país atualmente são provocados pela XBB.1.5. A nova variante se espalha sobretudo no nordeste do país, com um número de infectados que tem praticamente dobrado a cada duas semanas. No início de dezembro, a sublinhagem representava apenas 1,3% das infecções.

O que é a subvariante XBB.1.5?

A XBB.1.5 é mais uma descendente da ômicron, a variante globalmente dominante do coronavírus. Trata-se de uma ramificação da XBB, detectada pela primeira vez em outubro do ano passado, e que, por sua vez, é resultado de uma recombinação de outras duas subvariantes da ômicron.

“Trata-se da subvariante mais transmissível já detectada”, disse nesta quarta-feira (04/01) a epidemiologista sênior da OMS, Maria Van Kerkhove, durante uma coletiva de imprensa em Genebra. “Isso se deve a mutações encontradas dentro dessa subvariante da ômicron, que permitem que o vírus adira à célula e se reproduza facilmente.”

Quão perigosa ela é?

A OMS disse que ainda não dispõe de dados sobre a gravidade ou o possível impacto da XBB 1.5 nos doentes. Até o momento, não há nenhum indício de que a nova variante seja mais perigosa, embora o aumento da transmissibilidade seja sempre uma preocupação.

“Esperamos novas ondas de infecção no mundo todo, mas isso não precisa se traduzir em novas ondas de morte porque nossas contramedidas continuam surtindo efeito”, disse Van Kerkhove, em alusão a vacinas e tratamentos.

Virologistas concordam que o surgimento da nova subvariante não representa necessariamente uma nova crise na pandemia de coronavírus. Trata-se apenas de algo esperado à medida que o vírus continua a se espalhar pelo mundo, afirmam.

É provável que a XBB.1.5 se espalhe globalmente, mas ainda não está claro se ela causará sua própria onda de infecções. Segundo especialistas, as vacinas atuais continuam a proteger contra sintomas graves, hospitalização e morte.

 

Como a OMS está lidando com a questão?

Segundo Van Kerkhove, o Grupo Consultivo Técnico sobre Evolução de Vírus da OMS está fazendo uma avaliação de risco sobre a subvariante. Os resultados deverão ser divulgados nos próximos dias.

A OMS também afirmou estar acompanhando de perto quaisquer eventuais mudanças na severidade da subvariante com base em estatísticas e estudos de laboratório.

FONTE: DW




05/01/2023 – Grupo Guaramano

COMPARTILHE

SEGUE A @HTTPS://WWW.INSTAGRAM.COM/RADIOGUARAMANO98.1FM/

98.1 – (55) 3353-1721
91.1 – (55) 3353-2121

grupoguaramano@yahoo.com
Guarani das Missões – RS
Av. Castelo Branco, 1053 – Centro, 97950-000

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO